Documentos Profissionalizadores

Sendo uma profissão emergente, a Educação Social necessita de princípios profissionalizadores,  que são fundamentais para a ação educativa e para a prática profissional.

O educador social é, essencialmente, um educador e as suas intervenções educativas devem procurar sempre uma aproximação direta e humana com as pessoas, favorecendo nelas processos educativos que lhes permitem um crescimento pessoal positivo e uma inserção crítica na comunidade a que pertencem. Não há educação sem valores e, por isso, a Educação Social não é uma profissão neutra.

Deste modo, existem essencialmente três “documentos profissionalizadores” dos Técnicos Superiores de Educação Social (TSES):

    • Código Deontológico do Técnico Superior de Educação Social;
    • Proposta de Estatuto Legal da Carreira do Técnico Superior de Educação Social;
    • Declarações da Associação Internacional de Educadores Sociais (AIEJI).

A práxis do TSES pressupõe um projeto pedagógico que responda às aspirações do indivíduo e da sociedade. Nesta práxis, a consciência ética é fundamental. A capacidade e compromisso dos TSES para atuar eticamente são um elemento essencial de qualidade do serviço que oferece. A Educação Social é uma profissão eminentemente ética devido às repercussões éticas e morais que o seu desenvolvimento tem no contexto social no qual atua.

Os códigos deontológicos funcionam como orientação para o exercício profissional, mas também como referência externa que ajuda a promover uma imagem pública valorizada, nomeadamente a credibilidade profissional. As associações profissionais são fundamentais para o questionamento das linhas de orientação profissional, na divulgação de iniciativas, no apoio profissional, na criação de espaços de investigação, na luta pelo reconhecimento profissional e na regulação de estatutos e carreiras profissionais. O reconhecimento social é decisivo para a valorização de uma profissão.

A Educação Social tem, ainda, uma história internacional, que a contextualiza. Por esse motivo, a aproximação à Associação Internacional de Educadores Sociais (AIEJI) é fundamental. Os documentos elaborados pela AIEJI permitem refletir sobre as questões éticas, a qualificação profissional, as competências do TSES e os desafios com os quais os TSES se deparam enquanto profissão. O reconhecimento do TSES depende, em suma, da sua pertinência profissional, mas também da sua postura ética enquanto profissional, capacidade associativa e da definição de uma carreira profissional, enquadrada a nível internacional.